Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

aquihacoracao

08
Dez20

Um conto de Natal (baseado numa história verídica)

Aqui há coração

IMG_20201208_170848.jpg

Em resposta ao desafio da imsilva, deixo aqui o meu conto de Natal. 

 

Corria o ano de 1965 e tudo era muito diferente dos dias de hoje. Ela, Maria de seu nome, era a nona filha de 12 irmãos e teria na altura 9 anitos. Uma família de agricultores onde a realidade residia na dureza do campo, cujo gelo da madrugada precedia ao calor das tardes solarengas. Frequentava a escola, mas em casa tinha tantos afazeres, que pouco tempo lhe sobrava para a brincadeira. Ajudar a mãe a preparar a sopa para todos, na velha panela encardida pelo fogo da lareira, levar a refeição ao seu pai e aos seus irmãos e à tarde distribuir o leite pelos fregueses. Na volta corria, sem fôlego, pelos caminhos de terra batida, com os bolsos do aventalinho carregados de figos ou de amoras, ou do que encontrasse na altura por onde passasse. Tinha medo do escuro. Viviam à luz da candeia e as noites de trovoada eram deveras assustadoras.

Pois bem, aproximava-se então o Natal. E as crianças entusiasmadas, apenas por pensarem no conforto do estômago, pela refeição um pouquinho menos pobre e talvez, até, com uma lasquinha de bacalhau em azeite para cada um. E porque estariam todos juntos. Mas a sua parte favorita eram as brincadeiras com os irmãos e ouvir as risadas e cantigas do seu pai. E assim foi, nesse Natal.

Depois da ceia, seguiram para a missa do galo. Maria ficava encantada quando o Sr Padre trazia o pequenino Jesus para ser colocado junto dos seus pais, no berço de palha. Sentia-o pertinho de si. E também gostava dos cânticos, que alegravam aquelas gentes, com vidas tão duras. Ora bem, Maria reparara, então, que um senhor não tirava os olhos de si e do seu irmão Artur! Até que, um minuto antes da missa acabar, ele se dirigiu até junto deles e lhe entregou uma nota de 100 escudos (mais ao menos o equivalente a 50 cêntimos dos dias de hoje) e disse-lhe para que comprasse uns sapatinhos para ambos, visto os que usavam estarem em péssimo estado, com sola muito gasta e os deditos a "espreitar" (e eram na verdade os seus únicos sapatos). Maria não cabia em si de contente, pois nunca lhe tinham dado uma nota. A verdade é que nenhum deles sabia o que eram presentes de natal porque nunca os puderam ter. Correu para a sua mãe, entregando-lhe o dinheiro, que esboçando um sorriso, disse: — Vou comprar-te os sapatinhos para ti e outros para o teu irmão, tal como o senhor queria que fizesses. Mal sabia ele que Maria e Artur andavam na escola em horas diferentes e a meio caminho trocavam de sapatos. Um ia descalço e o outro vinha descalço, mas graças à sua bondade, a partir daquele dia isso não mais voltou a acontecer. Artur recebeu umas botas e Maria uns sapatinhos cor de rosa, que guarda na memória até hoje, por terem sido um presente tão especial.

E assim, aquela menina soube pela primeira vez o que é um verdadeiro presente de Natal. Aquele que se dá de coração para alegrar o coração de quem o recebe.

Lu

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Aqui há coração 08.12.2020

    Muito obrigada.
    Vou ler todos os contos.
    Feliz Natal
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D